Para as meninas indígenas no Brasil, a jornada para a escola é quase tão grande quanto o próprio dia letivo

Maikele e Itocovoti são estudantes engenhosos de 17 anos da Bahia. (Cortesia de McKinley Tretler / Malala Fund)

Maikele e Itocovoti são estudantes engenhosos de 17 anos da Bahia. (Cortesia de McKinley Tretler / Malala Fund)

Maikele e Itocovoti, de 17 anos, estão lutando contra longas distâncias para a escola, discriminação e educação de baixa qualidade.

Maikele Ferreira Nascimento cresceu em sua comunidade indígena no litoral brasileiro e acordava às 4 da manhã todos os dias para ir ao rio tomar banho.  Depois de comer um farto café da manhã com feijão e carne com seus oito irmãos, ela caminhava oito quilômetros até o ônibus escolar. Maikele não tinha uma mochila, então ela carregava seus materiais escolares em sacos plásticos para protegê-los das chuvas pesadas.  Se o ônibus conseguisse atravessar toda a lama, seria outra hora antes de chegar à escola. Foi cansativo, Maikele reconhece, mas isso é o que você tinha que fazer se você quer ir para a escola.

Maikele é uma Tupinambá de 17 anos, uma tribo indígena do nordeste brasileiro conhecida por sua pesca oceânica e cultivo de mandioca e milho.  Longas caminhadas pela escola, educação de baixa qualidade e estradas precárias impedem que muitos estudantes indígenas, como ela, aprendam. De fato, as populações indígenas no Brasil têm as mais altas taxas fora da escola nos níveis primário e secundário do ensino médio no país.  E enquanto os povos indígenas representam apenas 0,5% da população total do país, 30% de sua população é analfabeta.

Itocovoti, de 17 anos, enfrenta um desafio diferente para concluir sua educação.  Ela é Pataxó Hãhãhãe, uma tribo também da Bahia, no nordeste do Brasil. A qualidade da escola na comunidade indígena de Itocovoti era tão pobre que seus pais a enviaram para uma escola diferente em uma cidade próxima.  No entanto, Itocovoti enfrenta discriminação em sua nova escola porque ela é Pataxó Hãhãhãe. Todos os dias, ela diz que é "humilhada" e "desrespeitada" por seus colegas que "não respeitam meu povo e minha cultura".

A discriminação Itocovoti vive faz parte de um problema maior de marginalização e violência contra os povos indígenas, que persiste no Brasil há séculos.  Desde meados do século XIX, a exploração de recursos naturais e programas governamentais de colonização forçaram os povos indígenas a sair de suas terras. “Os interesses de mineração estão voltados para nossas terras para explorar o solo e extrair minerais e rochas”, explicou Itocovoti.

As disputas pela terra continuam até os dias de hoje, enquanto as comunidades indígenas lutam para recuperar terras tribais - o pai de Maikele foi assassinado como resultado de um conflito territorial perto de sua aldeia de Serra das Trempes.  Sua família foi forçada a se mudar para a Serra do Padeiro, outra comunidade de Tupinambá, para sua segurança.

Viver na Serra do Padeiro tornou mais fácil para Maikele chegar à escola - o ônibus agora a pega bem na frente de sua casa.  Mas Maikele ainda enfrenta dificuldades. “Na estação chuvosa é quase impossível ter aulas”, diz ela por causa das estradas ruins.

Ainda assim, Maikele está determinada a continuar com sua educação.  Ela se lembra do que seu pai costumava lhe dizer: "Quero que minhas filhas cresçam, vão à universidade e não dependam de ninguém". Maikele espera se tornar advogada e lutar pela terra tirada de seu povo. para realizar o sonho do meu pai ”, diz Maikele simplesmente,“ para mim e para ele ”.

Anaí (Associação Nacional de Ação Indígena) é uma organização apoiada pela Rede Gulmakai do Fundo Malala. Anaí trabalha para ajudar as meninas indígenas como Maikele e Itocovoti a irem à escola.

This piece is also available in English.


Like what you’re reading? Subscribe to Assembly to get girl-powered posts delivered to your inbox twice a month.


 
_69gSNNJ.jpg

ABOUT THE AUTHOR

Tess Thomas is editor of Assembly, a digital publication and newsletter from Malala Fund. She loves books, cats and french fries.